arquivos para download

baixe aqui os ultimos arquivos enviados

Olá


TÍTULO

DESCRIÇÃO

EVENTO

GRUPO

Ir para pasta:

Saiba tudo sobre o Pix e veja como se prevenir de fraudes

DATA: 15/12/20 Dinheiro

O Pix chegou e algumas pessoas já estão usando esse novo meio de transferências e pagamentos. Mas muita gente ainda não entendeu direito o que é esse recurso, como funciona e qual a diferença dele para os outros métodos.

Se você tem interesse, mas está com a mente cheia de dúvidas, fique tranquilo! Preparamos essa postagem super completa e trouxemos dicas para você tomar cuidado e evitar fraudes do Pix.

Continue a leitura!

 

ÍNDICE

O que é o Pix?

Como funciona o Pix?

Outras vantagens

O Pix é seguro?

Onde está o risco?

Cuidados ao compartilhar as chaves Pix

 


 

O que é o Pix?

O Pix é um novo sistema de pagamentos criado pelo Banco Central, que começou a ser utilizado em novembro de 2020. Trata-se de uma proposta trazida pela instituição para oferecer um meio de pagamento mais seguro, rápido e competitivo no mercado financeiro.

Na prática, o Pix traz diversas funcionalidades que prometem facilitar a vida tanto das pessoas, quanto das empresas. Entre elas, podemos citar:

Transferência em tempo real e gratuita para qualquer banco;

Enviar e receber dinheiro 24h por dia, todos os dias, inclusive finais de semana e feriados;

Fazer transferências digitando apenas uma chave: veja abaixo para entender melhor;

Pagar lojas, restaurantes e estabelecimentos comerciais na hora em tempo real;

Quitar contas de água e luz a qualquer momento.

A principal mudança do Pix é a instantaneidade. Se antes era preciso esperar alguns dias para receber um TED ou DOC, com este novo sistema, as transações acontecem na mesma hora.

Outro ponto positivo é a disponibilidade. Hoje sabemos que existem restrições tanto para fazer transferências, como para pagar contas — por exemplo, uma conta paga no final de semana só será debitada no próximo dia útil. Com o Pix, essas transações acontecem a qualquer momento, sete dias por semana, incluindo até feriados nacionais

Mas isso não quer dizer que os outros meios de pagamento deixarão de existir. Na verdade, o Pix se apresenta como uma mais uma opção para que pessoas físicas e jurídicas possam enviar e receber dinheiro de um jeito gratuito, prático e rápido.

Como funciona o Pix?

Não é preciso abrir uma nova conta em banco para usar o Pix, nem se cadastrar numa plataforma específica. Desde novembro, os bancos já estão conectando seus usuários a esse novo meio de pagamento, através do próprio Internet Banking. O Pix pode ser usado na sua conta já aberta e ativa, seja ela corrente ou de pagamentos.

Você provavelmente já deve ter visto, no app do seu banco, uma mensagem convidando a cadastrar suas “chaves” do Pix, certo? É que, para realizar transações usando esse novo sistema, você precisa cadastrar uma chave. Vamos explicar melhor:

→ As chaves Pix significam “apelidos” que identificam a sua conta. Elas resumem, em apenas um contato, todas suas informações de agência, conta, variação etc.

→ Você pode registrar até quatro tipos de chaves Pix: CPF ou CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou uma chave aleatória.

→ A chave aleatória é uma sequência de números ou letras criadas por você, e serve para proteger suas informações nas transações usando o Pix.

→ Você pode registrar mais de um e-mail ou número de telefone como chave Pix.

A única coisa que não dá pra fazer é adicionar a mesma chave em bancos diferentes. Por exemplo, se você adicionar o seu CPF como chave Pix no Banco do Brasil, não poderá adicioná-lo também na sua conta do Banco Itaú.

Se quiser mudar de banco, precisa fazer a portabilidade — esse processo pode ser feito diretamente nos apps das instituições. Assim que você tiver cadastrado ao menos uma chave Pix na sua conta, já pode começar a fazer transferências ou pagamentos usando esse novo método.

Outras vantagens

Existem ainda outros benefícios trazidos pelo Pix quanto aos pagamentos de contas. Uma delas é a geração de QR Codes para cobrar ou receber dinheiro. Uma empresa, por exemplo, pode gerar esses códigos e enviá-los aos clientes. Esses QR Codes são lidos automaticamente pelo smartphone e já encaminhados para a página com as informações do pagamento, tudo isso através do app do banco.

O Pix também sai na frente dos cartões de débito ou de crédito. Para quem recebe pagamentos em cartão, precisa esperar no mínimo dois dias para o dinheiro cair na conta. Com o Pix, o dinheiro entra na hora.

O Pix é seguro

Uma nota divulgada pelo Banco Central afirma que o Pix conta com os mesmos protocolos de segurança do Sistema Financeiro Nacional usados nos TEDs e DOCs. Além disso, as próprias instituições financeiras fornecem camadas de segurança nas operações feitas pelos aplicativos de Internet Banking, como biometria, senhas, reconhecimento facial e outras.

Segundo o InfoMoney, as transações e dados dos usuários cadastrados no Pix serão protegidos por duas medidas: criptografia e autenticação. A primeira garante que as informações pessoais dos usuários sejam protegidas por sigilo bancário, estabelecido na Lei Complementar número 105, e também pela Lei Geral de Proteção de Dados.

Já a segunda medida serve para confirmar se a identidade do cliente e do agente financeiro são verdadeiras. Em muitos aplicativos, é possível fazer uma autenticação de dois fatores — em que você usa, por exemplo, sua senha e uma confirmação no celular para acessar a conta. Esse processo promove mais segurança aos usuários e aos bancos.

Além dessas medidas, toda vez que fizer um Pix, precisa digitar sua senha — a mesma usada nas outras transações bancárias que já estamos habituados. Em alguns aplicativos, essa confirmação também acontece por biometria ou reconhecimento facial.

Onde está o risco?

Mesmo com todas essas camadas de segurança oferecidas pelas instituições bancárias e pelo Banco Central, ainda assim é possível acontecer fraudes com o Pix. Um dos principais riscos está quando uma pessoa mal intencionada assume a identidade do cliente e recebe valores de outras pessoas.

Recentemente, vimos diversos casos de pessoas que foram vítimas de golpes pelo WhatsApp. O criminoso tinha acesso à rede social da pessoa, enviava mensagens aos seus contatos pedindo dinheiro, e repassava uma conta para transferirem o dinheiro.

Com o Pix, pode acontecer situações parecidas. Os fraudadores de alguma maneira conseguem acesso à conta do cliente e começam a fazer transações, seja para compras na internet ou para aplicar golpes em outros contatos.

Por isso, é muito importante ficar atento a alguns pontos, tais como:

→ Ligações e mensagens de números desconhecidos

Informações escritas erradas, com números absurdos ou com tom apelativo

→ Mensagens falsas e tendenciosas solicitando informações bancárias

Links sugeridos ou encurtados enviados por supostos funcionários de banco

Outras fraudes também podem acontecer quando o criminoso se aproveita da falta de informação do cliente. Por exemplo: agora que você já conferiu esse conteúdo, sabe que não precisa fazer nenhum cadastro em outro banco ou abrir uma conta para usar o Pix.

Porém, quando o cliente não tem essa informação, pode receber ligações ou mensagens maliciosas de pessoas se passando pelo funcionário de algum banco, e informando que enviará um link para a pessoa se cadastrar no Pix. Neste cadastro, são solicitados todos os dados pessoais e financeiros do cliente. Com essas informações, o cibercriminoso opera os golpes.

Cuidados ao compartilhar as chaves Pix

Como vimos, uma chave Pix compila todos os dados bancários em apenas um “apelido”, que pode ser número de celular, CPF/CNPJ ou e-mail. Assim, para fazer transações usando esse sistema, não é necessário digitar todos os dados da conta bancária de destino.

Em contraponto, este é um dado facilmente acessado por muita gente. Quem nunca informou o seu número de celular ou CPF em algum estabelecimento? Se o criminoso tem acesso à essa informação, pode se aproveitar dessa facilidade para enganar as pessoas e aplicar fraudes.

Portanto, é essencial tomar cuidado ao compartilhar uma chave Pix, assim como os dados bancários, com qualquer pessoa. Saiba para quem está transferindo dinheiro da sua conta e confirme se o estabelecimento é realmente seguro antes de confirmar o pagamento.

Outra recomendação é nunca informar senha ou códigos iToken por telefone ou redes sociais, nem realizar leitura de QR Codes suspeitos. E se alguém solicitar acesso remoto ao seu computador ou celular para suposta “manutenção”, recuse imediatamente.

Se você gostou desse conteúdo, compartilhe com seus amigos! Continue acompanhando nosso blog para saber mais sobre investimentos, finanças, bem-estar e estilo de vida.

Rua Domingos Jorge 1100, SP, São Paulo – CEP: 04779-900

Central de Atendimento (de segunda à sexta feira, das 08 às 17h)
0800 818 2020 | contato@previbayer.com.br