arquivos para download

baixe aqui os ultimos arquivos enviados

Olá


TÍTULO

DESCRIÇÃO

EVENTO

GRUPO

Ir para pasta:

Finanças inteligentes: Conheça os tipos de investimentos

DATA: 15/06/18 Investimentos

Durante a Semana + Futuro da Previbayer, que aconteceu na 5ª Semana Nacional de Educação Financeira (Semana ENEF), o diretor geral da Vanguarda Capital/Parceira de Investimentos XP, Claudio Foresti contou um pouco sobre os diversos tipos de investimentos com o intuito de auxiliar as pessoas na hora de escolher qual é o melhor tipo de aplicação do seu dinheiro.

Nós somos estimulados o tempo inteiro pela indústria a consumirmos produtos que não precisamos. Em decorrência disso, acabamos adquirindo hábitos que não são necessários, como por exemplo, trocar de celular com frequência. 

O governo também tem participação nesse incentivo, fornecendo créditos que posteriormente serão cobrados a juros altíssimos. Para não cair nessas armadilhas, é preciso ter um planejamento financeiro para administrar a renda e as despesas que você tem.

A primeira coisa que precisamos fazer quando queremos algo, que pode ser desde uma festa de casamento a uma cirurgia plástica, é saber o quanto esse sonho custa e então, começa o seu plano financeiro. Para isso, você precisa traçar os objetivos a serem alcançados em curto, médio e longo prazo. O envolvimento da família nesse processo é imprescindível, pois vai ser necessário poupar dinheiro para que o propósito seja atingido.

Quando as contas estiverem equilibradas, com a receita sendo maior do que as despesas, o próximo passo é saber como fazer o dinheiro que está sobrando, render. É possível fazer com que esse capital se multiplique por meio de investimentos. 

O grande aliado do investidor nesse momento são os juros compostos. A maior diferença é que os juros simples tomam como base o seu capital inicial, enquanto os juros compostos pegam o montante do mês anterior, que já tinha sido submetido a juros.

É uma conta de matemática simples. 

Vamos supor que você investiu 100 reais com uma taxa de 10% ao mês. No primeiro mês de rendimento você vai ter: R$ 100,00 x 10% = 10. Logo, seu saldo será de 110 reais.

A grande diferença dos juros simples para os compostos aparece no segundo mês, porque você vai pegar o montante do mês anterior (R$110) e multiplicar por 10%. Essa conta vai resultar em 121 reais. Ou seja, seu dinheiro rende mais.

Por isso, é preciso pensar em alternativas de investimento que utilizem os juros compostos, garantindo assim que você alcance a sua independência financeira em um prazo menor. Mas antes de tudo, é necessário conhecer os principais tipos de investimentos que o mercado oferece.

  1. Poupança

Esse é o tipo de investimento preferido do brasileiro hoje, mas não é o mais vantajoso. Quando sobra dinheiro e ele é investido na poupança, você está emprestando o seu capital para uma instituição financeira. O banco usa este recurso para financiar empréstimo bancários de seus clientes e te devolve o dinheiro com os juros do período que você investiu.

  1. Previdência Privada

Este é o tipo de investimento para o futuro. Trata-se de um plano no qual você investe uma quantia por mês, e aquilo vai se acumulando. Neste caso, o resgate deve acontecer no mais longo prazo possível, pois dessa forma a rentabilidade aumenta e o seu dinheiro vale mais. Muitas pessoas fazem planos de previdência para complementar o benefício do INSS. 

  1. CDI (Certificado de Depósito Interbancário)

O CDI é a principal referência do mercado na cobrança de juros sobre empréstimos bem como remuneração dos investimentos. Ele sempre vai estar ligado a famosa taxa Selic, que é a taxa básica de juros do país. A poupança tem os rendimentos atrelados ao Selic e ao CDI. Então, se essas taxas estão baixas, a sua poupança vai render menos.

  1. CDB (Certificado de Depósito Bancário)

Da mesma forma que a poupança, você empresta dinheiro ao banco. Ele pega esse capital e empresta para outras pessoas, por meio de cheque especial por exemplo. O que poucos sabem é que existem diversos tipos de CDBs, então você escolhe o que é mais vantajoso para você.

  1. Títulos Públicos

Os títulos públicos nada mais são do que títulos de dívidas. Só que nesse modelo, você empresta dinheiro para o Governo, que por sua vez vai utilizá-lo para financiar dívidas públicas em educação, saúde, entre outras. E depois, ele te devolve esse dinheiro com juros. A plataforma para a negociação do título público é o Tesouro Direto. Esse tipo de investimento é um dos mais conservadores, porque os riscos de você não receber são bem reduzidos.

  1. LCI e LCA

São muito parecidos com o CDB. Você empresta dinheiro para o banco, ele vai utilizar esse recurso para financiar o setor imobiliário (LCI) ou o setor agrícola (LCA) e, posteriormente te devolverá o dinheiro com juros.

  1. Debênture

É um tipo de título privado emitido por empresas de capital aberto. Você empresta o dinheiro para uma empresa, ela usa este recurso para financiar seus empreendimentos e te devolve com juros acordados, seguindo as regras da debênture oferecida. Aqui tem um pouco mais de risco do que a renda fixa de banco.

  1. Ações

Quando você investe em ações, você não está emprestando dinheiro e sim tornando-se sócio da empresa. Você vai comprar uma ação com o objetivo de que ela se valorize ao longo do tempo. É arriscado e há possibilidade de perder dinheiro.

Agora que você já conhece um pouco sobre os tipos de investimentos é hora de começar um planejamento financeiro para alcançar seus objetivos. Conte sempre com a Previbayer para investir nos planos de previdência privada. Conheça também o Previleve, nosso plano especial para sua família. 

Atualizado em dez/2020.